29 de setembro de 2021

Senadora americana estabelece os princípios para uma moeda digital nos Estados Unidos, ao lado do papel contínuo de stablecoins privados

A senadora dos EUA Cynthia Lummis foi ao plenário do Senado na quarta-feira para explicar suas opiniões sobre uma possível moeda digital do banco central dos EUA.

 

Destacando o papel de um CBDC na próxima era das finanças, Lummis disse: “A liderança da América em serviços financeiros globais é uma herança da qual nosso país pode se orgulhar”.

 

A senadora de Wyoming passou a delinear uma visão para um CBDC que é um instrumento de dívida direta com o Federal Reserv. Ela estava especialmente preocupada com a importância da programabilidade, que ela destacou como uma distinção fundamental entre as versões digitalizadas existentes do dólar e um verdadeiro CBDC.

“A programabilidade se concentra nas características do dinheiro, incluindo a identidade do proprietário, a quantidade de dinheiro que está sendo transferida e as condições em que o mundo exterior pode interagir com esse dinheiro", explicou Lummis. Ela ainda insistiu na importância da privacidade contínua, dizendo: “Não podemos permitir que um CBDC se torne um panóptico.”

Essas preocupações surgiram frequentemente em discussões sobre um CBDC, mas esta é a primeira vez que um senador falou longamente sobre uma visão positiva para tal desenvolvimento no plenário do Senado.

O dólar digital tem sido objeto de grande interesse, especialmente à luz de um relatório do Federal Reserve, que Lummis mencionou como pano de fundo para seus comentários.

Lummis também criou stablecoins particulares. Legisladores e reguladores, inclusive o Fed, passaram a apresentar CBDCs e stablecoins privados como prováveis ​​de operar em contenção. Lummis negou a comparação com os "bancos selvagens" do século 19 - uma comparação que o presidente da Comissão de Valores Mobiliários, Gary Gensler, fez em uma audiência perante o Comitê Bancário do Senado em meados de setembro. Ela, no entanto, disse: